Como descartar medicamentos corretamente

Para muitas pessoas é comum ter gavetas cheias de medicamentos vencidos ou que não estão sendo mais utilizados. Para fazer o descarte correto é preciso seguir algumas regras básicas.

O que não deve ser feito é jogar o remédio no lixo comum, na privada e dar a descarga ou simplesmente ignorá-los. O descarte inadequado pode fazer com que acabem nos aterros sanitários ou contaminar cursos de água, afetando a vida animal e vegetal e potencialmente a vida humana. 

Muitos medicamentos se deterioram com o tempo, e isso resulta em alterações em sua composição química. Essas alterações podem tornar os medicamentos menos eficazes ou prejudiciais e tóxicos se forem usados ​​após o prazo de validade.

A partir de agora, por lei, será possível devolver os medicamentos não utilizados à farmácia. Em dezembro de 2020 começou a vigorar o Decreto Federal n° 10.388, que instituiu o sistema de logística reversa de medicamentos. De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), o processo envolve toda a cadeia farmacêutica: fabricantes, importadores, distribuidores e farmácias. A norma inclui os medicamentos domiciliares vencidos ou em desuso.

COMO VAI FUNCIONAR NA PRÁTICA

Nos dois primeiros anos a partir da publicação do decreto, apenas municípios com população superior a 500 mil habitantes terão farmácias e drogarias com pontos de coleta. Do terceiro ao quinto ano de implantação, serão contempladas as cidades com mais de 100 mil habitantes. Todas as capitais brasileiras participam desde o início, independentemente do número de habitantes. Em cada cidade participante haverá um estabelecimento para cada dez mil habitantes.

Nas farmácias, o consumidor vai deixar o medicamento em um coletor próprio, que será igual para todos os estabelecimentos. Uma vez cheio, o varejista lacra essa embalagem e comunica ao distribuidor. Este, por sua vez, fará a coleta e levará o material para o seu centro de distribuição. Por fim, a indústria recolhe e providencia a destinação final para os medicamentos. Estão previstas também campanhas educativas para informar o usuário sobre a implementação da política.

Como descartar remédios corretamente

COMO DESCARTAR MEDICAMENTOS VENCIDOS

O consumidor não deve retirar o produto da embalagem. No caso de remédios líquidos, a embalagem é o frasco de vidro ou plástico e nos comprimidos é a cartela de alumínio. Os produtos devem ser levados da forma que estão, pois o estabelecimento precisa saber qual é o medicamento para direcionar corretamente para o descarte. Algumas substâncias precisam ser neutralizadas antes de serem incineradas. As bulas e as embalagens secundárias, que são as caixas de papelão, também podem ser descartadas junto com os medicamentos nos pontos de coleta. 

No caso dos perfurocortantes, como seringas e agulhas, as legislações não preveem o recolhimento por farmácias e drogarias. Caso o paciente faça uso domiciliar desses produtos, eles devem ser entregues em hospitais ou postos de saúde. A sugestão é armazená-los em garrafas pet com tampa, para evitar acidentes.

PARA QUE SERVE A LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS

O objetivo é viabilizar o descarte correto de remédios e evitar que impactos ambientais e danos à saúde humana ocorram. Portanto, eliminar os resíduos de forma correta é de suma importância para a preservação do meio ambiente com práticas sustentáveis.

Cabe aos consumidores o descartarem os medicamentos domiciliares e de suas embalagens nas drogarias e farmácias, que farão a guarda temporária até a coleta e o transporte pelos distribuidores. Na sequência, caberá aos fabricantes e importadores de medicamentos custear a destinação final.

Leia também: Logística reversa: O que é e por que devemos agir agora?

 

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *